PANELAS DE COBRE WARWICK

11 3208-2337 / 98978-0564

panelasdecobre@gmail.com

PANELAS DE COBRE WARWICK

DESTAQUES

 

DESCONTO

 

TABELA DE PREÇOS EM PDF

Login

Newsletter

Limpeza e Cuidados

 

 

 

 

    Nossas panelas são fabricadas com chapa de cobre em sua parte externa para garantir perfeita distribuição de calor,  proporcionando um cozimento homogêneo. Obtem-se este resultado devido a alta condutividade térmica do cobre.

 

    A parte interna é de aço inoxidável 304 (níquel / cromo) permitindo uma perfeita higienização. De acordo com exigências da Vigilância Sanitária, na parte interna da panela somente é permitido o uso de aço inoxidável. Qualquer outro metal — alumínio, estanho, cobre — é terminantemente proibido.  

 

 

Limpeza do Cobre

 

    O cobre é um metal de fácil oxidação, quando exposto ao calor do forno ou fogão, ou em ambientes de alta salinidade característicos de regiões litorâneas. Esta oxidação gera uma descoloração e manchas superficiais facilmente removíveis através do seguinte processo: 

 

ETAPA 1 – Faça uma pasta com sal e limão ou vinagre e passe em toda a superfície do cobre e aguarde 20 minutos.

 

ETAPA 2 – Esfregue com força usando uma esponja Scotch-Brite do lado verde escuro (lado amarelo não vai limpar o cobre).

 

ETAPA 3 – Lave e enxugue bem para não manchar.

 

Limpeza do Aço Inoxidável

 

    Basta usar água quente e detergente neutro para limpeza total; é uma boa opção utilizar o lado amarelo da esponja Scotch-Brite.

 

Instruções de uso Pedra Sabão

 

Principais Vantagens:

 

–     Longa durabilidade;

–     Retém o calor por longo tempo;

–     Não é atacada por ácidos;

–     Não tem cheiro e não altera o sabor dos alimentos;

–     É bonita e decorativa; 

–     É fácil de ser lavada.

 

    A pedra sabão selecionada é um produto natural que deverá sofrer, antes do primeiro uso, um tratamento térmico conforme instruções:

 

–     Unta-la totalmente nos 2 lados com óleo vegetal;

–     Coloca-la no forno ainda frio;

–     Ligar o forno a uma temperatura de 200ºC e deixa-la por duas horas;

–     Após as duas horas, desligar o forno e esperar que o produto volte a temperatura normal; 

–     Repetir este processo mais uma vez, não esquecendo de untar novamente o produto;

–     Após o esfriamento do forno retire o produto, lave-o normalmente com água e sabão e estará pronto para uso;

–     Ao usar a pedra sabão evite mudanças bruscas de temperatura, pois poderá ocasionar a quebra da pedra devido a forte variação térmica;

–    Não nos responsabilizamos por quebra devido ao uso inadequado do produto.

 

 

     

 

 

História do Cobre

    O cobre foi provavelmente o primeiro metal minerado e trabalhado pelo homem. Foi originalmente obtido como um mineral nativo e posteriormente da fundição de minérios. Estimativas iniciais da descoberta do cobre sugerem por volta de 9000 a.C. no Oriente Médio. Foi o mais importante dos materiais da humanidade durante a Era do Cobre e Bronze. Objetos de cobre de 6000 a.C. foram encontrados em Çatal Höyük, Anatolia. Em 5000 a.C. já se realizava a fusão e refinação do cobre a partir de óxidos como a malaquita e azurita. Os primeiros indícios de utilização do ouro não foram vislumbrados até 4000 a.C. Descobriram-se moedas, armas, utensílios domésticos sumérios de cobre e bronze de 3000 a.C., assim como egípcios da mesma época, inclusive tubos de cobre. Os egípcios também descobriram que a adição de pequenas quantidades de estanho facilitava a fusão do metal e aperfeiçoaram os métodos de obtenção do bronze; ao observarem a durabilidade do material representaram o cobre com o Ankh, símbolo da vida eterna.
 

    Na antiga China o uso do cobre é conhecido desde, pelo menos, 2000 anos antes da nossa era, e em 1200 a.C. já fabricavam-se bronzes de excelente qualidade estabelecendo um manifesto domínio na metalurgia sem comparação com a do Ocidente. Na Europa o homem de gelo encontrado no Tirol (Itália) em 1991, cujos restos têm uma idade de 5300 anos, estava acompanhado de um machado de cobre com uma pureza de 99,7%, e os elevados índices de arsênico encontrados em seu cabelo levam a supor que fundiu o metal para a fabricação da ferramenta.


    O cobre é um metal de transição avermelhado, que apresenta alta condutibilidade elétrica e térmica, só superada pela da prata. É possível que o cobre tenha sido o metal mais antigo a ser utilizado, pois se têm encontrado objetos de cobre de 8700 a.C. Pode ser encontrado em diversos minerais e pode ser encontrado nativo, na forma metálica, em alguns lugares. Fenícios importaram o cobre da Grécia, não tardando em explorar as minas do seu território, como atestam os nomes das cidades Calce, Calcis e Calcitis (de χαλκος, bronze), ainda que tenha sido Chipre, a meio caminho entre Grécia e Egito, por muito tempo o país do cobre por excelência, ao ponto de os romanos chamarem o metal de aes cyprium ou simplesmente cyprium e cuprum, donde provém o seu nome. Além disso, o cobre foi representado com o mesmo signo que Vênus (a afrodite grega), pois Chipre estava consagrada a deusa da beleza e os espelhos eram fabricados com este metal. O símbolo, espelho de Vênus da mitologia e da alquimia, modificação do egípcio Ankh, foi posteriormente adotado por Carl Linné para simbolizar o gênero feminino(?).


    O uso do bronze predominou de tal maneira durante um período da história da humanidade que terminou denominando-se «Era do Bronze». O período de transição entre o neolítico (final da Idade da Pedra) e a Idade do Bronze foi denominado período calcolítico (do grego Chalcos), limite que marca a passagem da pré-história para a história.

 

 

História do Aço Inoxidável

 

    O aço inoxidável foi descoberto por Harry Brearley (1871-1948), que começou a trabalhar como operário numa produtora de aço com a idade de 12 anos, na sua terra natal, Sheffield (Inglaterra).

 

Em 1912, Harry começou a investigar, a pedido dos fabricantes de armas, uma liga metálica que apresentasse uma resistência maior ao desgaste que ocorria no interior dos canos das armas de fogo como resultado do calor liberado pelos gases.

 

    De início a sua pesquisa consistia em investigar uma liga que apresentasse uma maior resistência ao desgaste. Porém, ao realizar o ataque químico para revelar a microestrutura desses novos aços com altos teores de crómio que estava a pesquisar, Brearley notou que o ácido nítrico - um reativo comum para os aços - não surtia efeito algum. Brearley não obteve uma liga metálica que resistia ao desgaste, obteve porém uma liga metálica resistente a corrosão. A aplicação imediata foi destinado para a fabricação de talheres, que até então eram fabricados a partir de aço carbono e se corroíam com facilidade devido aos ácidos presentes nos alimentos.